Tipos de Obesidade

PUBLISHED ON APR 12, 12047

Será que pode haver um equilíbrio entre as diversas formas de se alimentar que o século XXI conhece para evitar os vários tipos de obesidade que acometem a humanidade? Obesidade após o casamento, após a gravidez, pós-cessação de atividade física (ex-atletas), após deixar de fumar, causada por drogas (fórmulas e medicamentos em geral), após a menopausa, pubertária, por causas endócrinas (5%), de nascença (associada ao genes, representa 30%), ou ainda por causas psíquicas (depressão ou carência afetiva).

A conclusão é que independente da importância das diversas causas, o ganho de peso está sempre associado a um aumento da ingesta alimentar e a uma redução do gasto energético correspondente a esta. Mesmo que a causa desse aumento seja genética, fisiológica, ambiental ou comportamental. Nas diversas etapas do seu desenvolvimento, o organismo humano é o resultado de diversas interações entre o seu patrimônio genético (herdado de seus pais e familiares), o ambiente sócio-econômico, cultural e educativo e o seu ambiente individual e familiar. A obesidade é uma doença multifatorial!

A obesidade acomete mais as mulheres do que os homens apesar dos homens apresentarem taxas mais altas de sobrepeso, se tomarmos como critério de obesidade o Índice de Massa Corporal (IMC).

Temos a obesidade tipicamente masculina e a feminina:

Obesidade Andróide ou Troncular (ou Centrípeta), é aquela na qual o paciente apresenta uma forma corporal tendendo a maçã. Está associada com maior deposição de gordura visceral e se relaciona intensamente com alto risco de doenças metabólicas e cardiovasculares (Síndrome Plurimetabólica). A deposição central de gordura está associada com aumento de distúrbios metabólicos, especialmente nos depósitos viscerais internos. Este tipo de gordura eleva o risco do desenvolvimento de resistência a insulina e hiperinsulinemia, diabetes tipo II, doenças cardiovasculares, hipertensão, dislipidemia e alguns tipos de câncer.

Obesidade Ginecóide se caracteriza pela deposição de gordura ao nível do quadril, fazendo com que o paciente apresente uma forma corporal semelhante a uma pêra. Está associada a um risco maior de artrose e varizes. A gordura fica localizada na região fêmuro-glútea. Apresenta menor risco de síndrome metabólica, mas em compensação está associada ao desenvolvimento de artrose e varizes.

Obesidade Masculina:

Obesidade Feminina

Normalmente quem chega ao grau de obesidade mórbida tem um histórico de obesidade iniciada na infância ou na adolescência. É a famosa e execrável tendência à obesidade. Isso não exclui, é claro, que há casos de pessoas que só entram no estágio de morbidez depois de algum episódio que deflagra a obesidade, como acontece com aqueles que começam a engordar desmesuradamente depois de passarem por uma experiência de perda muito forte.

Vale a pena lembrar que tanto o excesso de peso quanto a obesidade tendem a crescer mais entre homens do que entre mulheres. De acordo com estatísticas feitas pelo IBGE em 1989-199697 a prevalência média do excesso de peso e da obesidade entre mulheres declina em 1,8% ao ano enquanto entre homens sobe à razão de cerca de 4%ao ano. Como em toda previsão, também nesse caso estamos sujeitos a imprecisões, mas elas indicam que estamos diante de um problema de Saúde Pública. Assim sendo, há necessidade de que as autoridades sanitárias do país tomem medidas políticas públicas eficazes de controle que sejam apoiadas sobretudo na prevenção.