Excesso

PUBLISHED ON APR 16, 16047

Quando falamos em obesidade nos vêm imediatamente à cabeça a noção de excesso. Excesso de gordura, excesso de espaço ocupado indevidamente, excessos em geral que remetem à exagero. Excesso é tudo aquilo que sobra, que ultrapassa os limites da normalidade ou ainda que se acumula em forma de gordura no corpo do obeso. O obeso excede nos limites da gordura e num mecanismo de compensação, ele procura também se exceder em gentilezas, em amabilidades. Buscando agradar a todos, sendo sempre o mais solícito e o mais “amigo dos amigos”. São vícios adquiridos para fazer frente a uma doença que maltrata e discrimina sem piedade. Cria-se uma cadeia de excessos que vai burlando os limites da boa conduta, permitindo que aquele que convive com o obeso se ache no direito de apontar para “os tais excessos”, como se alguém tivesse vindo ao mundo para fazer revelações óbvias sobre a forma física de quem quer que seja.

Não podemos esquecer, inclusive, que o que pode parecer sobra para um pode estar na medida certa para outro. A questão do limite e do excesso é muito relativo, dependendo do contexto e da cultura em que se está inserido. As mulheres tendem a achar sempre que estão acima dos limites e das medidas impostos pela mídia. Excessos à parte, homens e mulheres precisam se adequar às necessidades de uma vida saudável, onde limite não precise ser sinônimo de punição.