Barriga

PUBLISHED ON APR 16, 16047

Barriga significa abdômen, mas ela nos remete sempre à noção de excesso, daquilo que sobressai e que precisa ser eliminado, seja no nosso próprio corpo, seja no entorno daquilo que não nos agrada no cotidiano da vida. Falar em barriga faz pensar em acúmulo, naquilo que precisamos perder, ou em algum incômodo. Não é a toa que “empurramos com a barriga” aquelas pendências que preferimos deixar para resolver amanhã… Inclusive a dieta que é sempre adiada para a próxima segunda-feira!

O obeso fica enredado no excesso de gordura acumulado no abdômen, sempre se desculpando e adiando a decisão de enfrentar o problema. Começa não se olhando no espelho da cintura pra baixo para não ver o “tamanho” de seu problema, ou melhor, de sua barriga.

Barriga masculina é mais tolerada do que barriga feminina. A tradição fez chegar a nós uma versão lendária de que excesso de barriga estava associada à prosperidade masculina. Aquele bonachão coçando a barriga é imagem fácil de ser encontrada entre as charges das últimas décadas. Mas para as mulheres não há a mesma benevolência. Barriga em mulher só é respeitada quando se trata de gravidez, e mesmo assim, se devidamente controlada, sem exceder os tantos quilos estabelecidos pelo controle médico do pré-natal. Leila Diniz inaugurou a exposição da barriga grávida como um trunfo feminino e emplacou! Caiu no gosto popular porque já não era sem tempo que as mulheres começassem a se rebelar contra uma situação de submissão que era evidenciada pelos disfarces representados pelas batas e babados que encobriam a barriga da grávida.