Amamentação

PUBLISHED ON APR 16, 16047

Todos sabemos da importância da amamentação na história dos homens, sobretudo depois da contribuição freudiana para a compreensão da subjetividade humana. Nossos hábitos alimentares começam a se formar desde o momento do nascimento, ou seja, a amamentação está na origem da história alimentar de todos nós. Todos querem entender o motivo pelo qual engordaram, buscando uma explicação para sua relação com a gordura e com o processo de “engordamento”, mas ficam muito reticentes, ou mesmo resistentes, quando são confrontados com perguntas acerca de sua amamentação. O espanto se deve justamente ao fato de, na maioria das vezes, estar aí o nó psíquico que precisa ser desfeito e refeito.

Por isso são tão pertinentes as investigações psicológicas acerca dessa fase primitiva da alimentação. Poderíamos dizer que é quase uma unanimidade encontrarmos obesos com questões mal resolvidas na sua fase de amamentação. A escuta psicológica revela que quase todo aquele que desenvolve alguma forma de obesidade experimentou na sua história primitiva o que nós podemos chamar, a posteriori, de um medo muito grande de “morrer de fome”. Nossa cliente nos conta que sua mãe secou o leite antes mesmo que a trouxessem para mamar pela primeira vez e que, muito provavelmente em função disso, ela desenvolveu uma alergia ao leite em pó americano que havia sido importado por seu avô com o intuito de substituir o leite materno. Sua mãe tinha sofrido excessivamente com a amamentação da primeira filha e não queria repetir a experiência pela segunda vez.

O resultado foi que nossa cliente ficou entre a vida e a morte nos três primeiros dias de vida, tendo sido submetida à dieta zero numa tentativa de desintoxicar o organismo daquilo que havia causado a desidratação quase fatal. Essa cliente sempre apresentou dificuldades para manter o peso e acabou desenvolvendo uma obesidade mórbida por volta dos 30 anos, época em que ficou órfã. Sendo assim, talvez possamos dizer que o desaparecimento de sua mãe se traduziu na perda do fiel da balança. Não foi à toa que essa cliente engordou tanto depois dessa perda, pois foi comendo que ela tentou preencher o vazio deixado pela falta da mãe.